jusbrasil.com.br
25 de Agosto de 2019

10 dicas rápidas sobre Direito do Trabalho - Parte 2

Descomplicando tudo sobre o Direito do trabalho em uma série de 5 artigos com dicas rápidas.

Maria Helô, Advogado
Publicado por Maria Helô
há 4 anos

10 dicas rpidas sobre Direito do Trabalho - Parte 2

Olá, queridos Jusbrasileiros!

Essa é o segundo de uma série de 5 artigos com dicas rápidas sobre o Direito do Trabalho.

Espero que gostem do conteúdo.


1) O Empregador é obrigado a dar o intervalo de almoço para seus empregados?

Nos trabalhos contínuos, cujo a jornada seja superior a 6 horas diárias, o Empregador é obrigado a dar um intervalo mínimo de 1 hora de almoço para seus empregados.

Já nos trabalhos que não excedam 6 horas diárias, o Empregador é obrigado a dar um intervalo mínimo de 15 minutos aos seus empregados quando a duração do trabalho ultrapassar 4 horas.

Art. 71 – Em qualquer trabalho contínuo, cuja duração exceda de 6 (seis) horas, é obrigatória a concessão de um intervalo para repouso ou alimentação, o qual será, no mínimo, de 1 (uma) hora e, salvo acordo escrito ou contrato coletivo em contrário, não poderá exceder de 2 (duas) horas. § 1º – Não excedendo de 6 (seis) horas o trabalho, será, entretanto, obrigatório um intervalo de 15 (quinze) minutos quando a duração ultrapassar 4 (quatro) horas. Artigo 71, CLT.

2) A partir de que momento a trabalhadora gestante não pode mais ser demitida?

A estabilidade provisória da gestante começa a partir do momento da CONFIRMAÇÃO DA GRAVIDEZ e se estende até 5 meses após o parto, ou seja, durante esse período o Empregador NÃO pode demitir a gestante, salvo nos casos de cometimento de alguma falta grave, geradora de justa causa.

Art. 10. Até que seja promulgada a lei complementar a que se refere o art. , I, da Constituição: II – fica vedada a dispensa arbitrária ou sem justa causa: b) da empregada gestante, desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto. Artigo 10, b, ADCT.

3) O meu patrão (empregador) não sabia que eu estava grávida e me demitiu. E agora?

Não interessa. É isso mesmo que você está lendo. Se o empregador não sabia que você estava grávida e lhe demitiu, ele agiu de forma equivocada e você possui direito certo a voltar para o trabalho. Sugerimos que, nesse caso, você procure um advogado com a maior urgência possível, pois você terá direito a reintegração apenas durante o período da estabilidade, ou seja, até 5 meses após o parto.

I – O desconhecimento do estado gravídico pelo empregador não afasta o direito ao pagamento da indenização decorrente da estabilidade Súmula 244, I, TST.

4) Estou em período de experiência. Se eu ficar grávida também tenho direito a estabilidade?

SIM. Depois da recente alteração da súmula 244 do TST, a Empregada que engravida no período de experiência, tem, sim, direito à estabilidade do momento da concepção até 5 meses após o parto.

III – A empregada gestante tem direito à estabilidade provisória prevista no art. 10, inciso II, alínea b, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, mesmo na hipótese de admissão mediante contrato por tempo determinado. Súmula 244, III do TST

5) Quando é considerado que um empregado abandonou o emprego?

Para se considerar que um empregado abandonou o emprego e, consequentemente, aplicar a justa causa, são necessários 2 requisitos.

  • O empregado deve ter faltado pelo menos 30 dias consecutivos ao serviço.

  • O empregador deve notificar o empregado por meio de carta com AR (aviso de recebimento) para que este volte ao trabalho imediatamente.

Presentes os dois requisitos acima, caso o empregado não volte, se caracteriza o abandono de emprego que é motivo para demissão por justa causa.

6) O empregado simplesmente sumiu. O empregador pode se livrar das suas obrigações e efetuar o pagamento das verbas desse empregado?

Pode sim! Nesse caso, o Empregador deverá procurar um advogado para entrar com uma Ação de Consignação em Pagamento perante a justiça do trabalho. Dessa forma, o pagamento será feito em juízo e o Empregador se livrará de todos os encargos referentes aquele Empregado.

Art. 335. A consignação tem lugar: II – se o credor não for, nem mandar receber a coisa no lugar, tempo e condição devidos Artigo, 335, II, CC/2002

7) Quando se configura o Trabalho Noturno? Qual é o adicional devido pelo Empregador?

Para os empregados urbanos, caracteriza-se como trabalho noturno as atividades praticadas entre 22h de um dia e 05h do dia seguinte.

A hora noturna deve ter um adicional de, no mínimo, 20% em relação a hora diurna.

Art. 73. Salvo nos casos de revezamento semanal ou quinzenal, o trabalho noturno terá remuneração superior a do diurno e, para esse efeito, sua remuneração terá um acréscimo de 20 % (vinte por cento), pelo menos, sobre a hora diurna. § 2º Considera-se noturno, para os efeitos deste artigo, o trabalho executado entre as 22 horas de um dia e as 5 horas do dia seguinte Artigo 73, caput e § 2º

8) Trabalhadores rurais têm direito ao Adicional Noturno? Qual o valor do adicional?

Sim. Mas no caso dos trabalhadores rurais os horários são diferentes.

Para os que trabalham com a pecuária, o período noturno é de 20h às 04h do dia seguinte.

Para os que trabalham com a agricultura, o período noturno é de 21h às 05h do dia seguinte.

Diferentemente dos trabalhadores urbanos, o adicional noturno dos trabalhadores rurais corresponde a 25% sobre a remuneração normal.

Art. 7º – Para os efeitos desta Lei, considera-se trabalho noturno o executado entre as vinte e uma horas de um dia e as cinco horas do dia seguinte, na lavoura, e entre as vinte horas de um dia e as quatro horas do dia seguinte, na atividade pecuária. Parágrafo único. Todo trabalho noturno será acrescido de 25% (vinte e cinco por cento) sobre a remuneração normal. Artigo 7º caput, parágrafo único. Lei do Trabalhador Rural

9) Caso o empregado que trabalha no período noturno, já acostumado a receber o adicional como parte do seu salário, seja transferido para o período diurno, ele perderá o direito ao adicional?

Sim. Mesmo que o empregado já trabalhe há muitos anos e já “conte” com aquele dinheiro advindo do adicional noturno no final do mês, se houver transferência para o período diurno, não haverá mais direito ao adicional noturno.

Nesse caso, o empregado não poderia dizer que está sendo prejudicado, pois a transferência para o período diurno, antes de mais nada faz bem pra saúde do próprio trabalhador.

A transferência para o período diurno de trabalho implica a perda do direito ao adicional noturno. Súmula 265, TST

10) É possível o recebimento do adicional de periculosidade e insalubridade ao mesmo tempo?

Não. Caso o empregado trabalhe em uma atividade ao mesmo tempo insalubre e perigosa, este deverá optar qual o adicional deseja receber.

§ 2º – O empregado poderá optar pelo adicional de insalubridade que porventura lhe seja devido Artigo 193, § 2º, CLT

Tenha acesso a parte 1 clicando aqui

Tenha acesso a parte 3 clicando aqui

Tenha acesso a parte 4 clicando aqui

Tenha acesso a parte 5 clicando aqui


Para você advogado trabalhista, é essencial manter um vasto e atualizado acervo de petições trabalhistas que contemple os casos mais comuns e também específicos. Se desejar, você pode adquirir um acervo completo de petições trabalhistas em vários sites pela internet. Procure observar se as petições são agrupadas por casos práticos, esse detalhe pode garantir maior agilidade e eficiência nos seus processos trabalhistas.

Recomendo este acervo completo e atualizado de petições trabalhistas, clique aqui.


As informações foram extraídas da fonte direitodoempregado. Com

7 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Excelente iniciativa, parabéns!

Cabe uma ressalva quanto a última questão, que versa sobre a acumulação dos adicionais de periculosidade e insalubridade. Em setembro/14, a Sétima Turma do Superior Tribunal Eleitoral manteve o direito a um trabalhador de continuar a receber cumulativamente os dois adicionais, e negou provimento ao recurso da empresa que pleiteava o fim dessa acumulação com base no art. 193, § 2º, CLT.
Quem tiver interesse em saber mais detalhes desta informação, segue abaixo o link do site do TST:

http://www.tst.jus.br/noticias/-/asset_publisher/89Dk/content/turma-mantem-acumulacao-de-adicionais-de-insalubridadeepericulosidade continuar lendo

Boa noite, Fabricius.

Fico muito feliz pelo comentário, é uma observação muito pertinente.

Um abraço! continuar lendo

Muito boa a explanação!

Corroboro com o comentário anterior quanto ao tópico 10, uma vez que há inovações quanto à exegese do retrógrado dispositivo da CLT que veda a cumulação dos adicionais, sendo essa proteção resguardada pela Constituição Federal (art. 7º, XXIII), CLT (artigos. 192 e 193) e pelas Convenções 148 e 155 da Organização Internacional do Trabalho, das quais o Brasil é signatário. continuar lendo

Boa noite, Felipe.

Fico muito feliz pelo comentário.

Um abraço! continuar lendo

Não se tratando de trabalho forçado nem escravo, os direitos do trabalho assalariado são todos pertinentes, basta consultar a velha e desgastada CLT. Na dúvida, ´dê a mais, daí vc não peca. O empregado nunca rejeita o que lhe é ofertado a mais, do contrário, ele produz muito mais. Para o patrão o que importa mesmo é o resultado - produção! continuar lendo

Boa noite, Patrício.

Trabalhador com seus direitos respeitados é um trabalhador feliz.

Agradeço o comentário.

Um abraço. continuar lendo

Ótimas dicas!

Sobre a primeira dica, comparando ao item 5.4 e os respectivos subitens do ANEXO II da Norma regulamentadora 17, dispositivo que trata da ergonomia para trabalho em teleatendimento/telemarketing, o correto seria instituir quais pausas? Se o empregador conceder somente a pausa de 15 minutos, ele estará agindo corretamente?

NR 17: http://goo.gl/o4bfP3

Agradeço desde já! continuar lendo